27 de dezembro de 2009

A tela do novo ano


FOTO: Carlos Fernandes

Contrariamente ao que sugerem os estafados votos de Boas Festas, o novo ano não é uma tela em branco onde seria possível plasmar o melhor dos nossos sonhos - um novo tempo em que poderíamos esquecer tudo o que de mau nos aconteceu durante os anteriores e iniciar, enfim, a vida perfeita dos nossos mais íntimos desejos. «Ano novo, vida nova», diz a voz do povo – mas, quantas vezes, em tom de zombaria, a denotar uma lúcida incredulidade… É que, por muito que o queiramos olvidar, o lastro - bom e mau - da vida que já vivemos continuará a fazer parte da nossa bagagem pessoal. No entanto, talvez haja razões para manter acesa a chama da esperança. Se, como diz o poeta dos Lusíadas, «todo o mundo é composto de mudança, / tomando sempre novas qualidades», certo é que poderemos tentar colorir com novos matizes os «rostos» e as «paisagens» do nosso quadro, aperfeiçoando em nós «o ser e a confiança», fazendo agora um bocadinho melhor o que de pior antes fizemos.

chega o ano novo
e um novo alento nos vem
animar o corpo

como o sol da Primavera
transfigurando o Inverno