27 de janeiro de 2012

Sem abrigo

 FOTO: Carlos Fernandes

Se às pessoas sem casa se chama «sem-abrigo», o que chamaremos às casas sem pessoas? Certo é que o abandono as corrói e arruína, tal como a fome, o frio e a doença fazem aos desabrigados. E como destroços se esboroam umas e outros pelas ruas da cidade velha, à míngua de calor, à míngua de amor…

mantêm-se as pedras
na teimosia da casa
- ainda paredes

mas o tempo e o desamparo
acabarão por vencê-las

2 comentários:

  1. Adoro essa poética que só você sabe descrever
    Texto e tanka.
    Jóia preciosa.

    Um bom início de semana.
    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Intuo-as como casas sem-Seres

      Eliminar