18 de maio de 2016

quando eu morrer não tragam flores



Foto de Carlos A. Silva


quando eu morrer
não tragais flores
que flor cortada
logo fenece
e morto por morto
basta no esquife
o cadáver que arrefece

não tragais sequer
lamento e pranto
que a morte
- porque certa -
não vale o espanto
nem a mágoa da perda
que o peito descerra

trazei histórias
e canções
e poemas vibrantes
com as memórias felizes
dos dias de antes
perenes como as flores
de pé na terra

2 comentários: