25 de dezembro de 2004

à Alix de Carvalho

trajando o vestido azul e roxo
do crepúsculo
a lua sorridente
veio dar um beijo furtivo
ao sol poente

morta de ciúme
pelo que acabara de ver
a chuva cerrou o dossel das nuvens
e chorou até adormecer

devagarinho
a lua entreabriu a portada
e derramou os seus pálidos cabelos
sobre a campina prateada

2 comentários:

  1. Que bonita imagem esta da lua a espalhar os seus cabelos pelos campos.
    Boa forma de iniciar a minha pausa de blogs. Hoje um beijo especial para desejar que o próximo ano te aproxime dos teus sonhos.

    ResponderEliminar
  2. eliana mara8:00 da tarde

    Eliana Mara

    gostei do poema e fala de uma amiga que eu gostaria de reencontrar. estive com Alix no Congresso da AiL e em oxford e tenho procurado por ela.
    Sou prof. de literatura em Salvador, Bahia, na Universidade Federal. Se houver como obter o endereço eletronico de Alix, será muito bom.
    Um abraço
    Eliana Mara

    ResponderEliminar